Estive em Melbourne recentemente pela segunda vez visitando a cidade. A primeira vez em que estive lá, no meio de janeiro de 2017 para encontrar o casal de estudantes Sílvia e Shinji, confesso que não gostei. Era o auge do verão e Melbourne é quente demais e por ser longe do litoral, é mais abafada do que o normal. Não tem aquela brisa do mar que tem em Sydney, por exemplo. Melbourne me lembrou Porto Alegre no verão, com a diferença de que em Melbourne o clima é bem seco.

[ Clique aqui e conheça a história da Sílvia e do Shinji, que saíram do Japão pra ir morar na Austrália ]

Naquela época estava acontecendo também o Australian Open de Tênis na cidade, ou seja, ela estava muito mais lotada do que o normal. Some um calor infernal com uma multidão se acotovelando pelas ruas do centro da cidade e o resultado não vai ser nada agradável. Além disso, confesso também que achei Melbourne suja e passei a questionar a razão pela qual a cidade é eleita uma das melhores do mundo para se morar há anos consecutivamente.

Fui embora bem decepcionada com Melbourne. Mas resolvi dar uma segunda chance pra mim e pra cidade na semana passada, julho de 2017, auge do inverno no sul da Austrália. Fiquei 3 dias e meio na cidade e mudei completamente a primeira impressão que tive, 6 meses atrás. Abaixo listo os principais motivos que me fizeram mudar de ideia sobre Melbourne:

  • Melbourne é uma cidade pra ser visitada no outono, no inverno e no comecinho da primavera. Ela tem um charme e um clima super europeu e por vezes me senti caminhando pelas ruas de Londres, Amsterdã, Dublin e Viena. Melbourne combina com frio, não com calor. Melbourne combina com vinho tinto e foundue, não com cerveja e fish and chips.
  • Melbourne tem uma praia chamada St. Kilda que fica próxima ao centro da cidade e é acessível via tram. É uma praia pequena, de água parada, mas bem charmosinha. É na beira da praia que fica o Luna Park, o famoso parque de diversões.
  • O transporte público é muito eficiente e Melbourne oferece trem, ônibus e os trams. Esses circulam gratuitamente pelo centro da cidade, ou seja, você pode se locomover sem ter que pagar.
  • A gastronomia é um grande diferencial e aposto que esse é um forte motivo que faz de Melbourne um dos melhores lugares pra se morar no mundo. A cidade tem muitos restaurantes e pelo menos em todos os que comi, a comida era excelente. Diferente de Sydney, onde o horário de funcionamento da maioria dos estabelecimentos não passa das 22h, em Melbourne é possível jantar depois desse horário.
  • As expressões artísticas marcam as ruas de Melbourne, seja através da arquitetura contemporânea e arrojada, seja através de grafitis e outras intervenções urbanas. Isso confere um ar de modernidade à cidade e me fez lembrar um pouco de São Paulo. Além disso, ela é cheia de becos onde não é difícil se surpreender e dar de cara com um bar descolado e discreto ou um restaurante super bombado.
  •  Pra quem procura um custo de vida mais em conta numa grande cidade, Melbourne é uma excelente opção. O valor da moradia, do transporte e da alimentação é mais baixo do que em Sydney, por exemplo. Melbourne oferece excelentes opções de escolas de inglês e cursos técnicos à preços acessíveis e por ser uma cidade grande, também oferece emprego para estudantes internacionais.

[ Quer estudar e viver em Melbourne? Clique aqui e peça um orçamento]

Depois de 3 dias passeando por Melbourne, fui embora com outra opinião sobre a cidade e pra quem gosta de frio, de clima europeu e de uma cidade farta que oferece qualidade de vida à um preço camarada, Melbourne é a melhor das opções na Austrália.

Luciana Rodrigues – Student Support da Education DownUnder esteve em Melbourne entre os dias 27 e 30 de julho de 2017.

Nossa próxima parada será em Gold Coast, entre os dias 3 e 6 de agosto. Quer viajar com a gente? É só seguir nosso perfil no Instagram @educationdownunder.